Geral Opinião

O início do fim da União Europeia

O Conselho da UE reuniu ontem, por vídeo-conferência, para discutir e aprovar vários pontos em agenda, relacionados com a Pandemia do Covid-19.

O Conselho da UE  é a Instituição Europeia mais importante, pois é nele que são tomadas as grandes decisões,.

Ao contrário dos governos nacionais nem a Comissão Europeia , nem o Parlamento Europeu têm este poder, de decisão, pois embora ao Parlamento, com o Tratado de Lisboa, já lhe tenha sido atribuído  o poder de co,-decisão com o Conselho nalgumas matérias muito restritas, pelo facto da União ser uma Instituição  intergovernamental, e não Federal como os EUA.

No Conselho têm assento os Chefes  de Estado  ou Primeiros- ministros dos agora 27 Estados-membros da União.

Com 27 Estadoss-membros é muito difícil arranjar Consensos nalgumas áreas como a Segurança e Defesa,, Relações Exteriores, e finanças comuns  e mesmo de se  conseguirem  maiorias simples ou qualificadas, dado que os  Estados-membros  não têm todos o mesmo número de votos, uma vez  que estes dependem  da  dimensão territorial e população  de cada um.

Com o apressado alargamento da UE, feito sobre pressão dos EUA, para nela  se integrarem  os países recém saídos da esfera de influência da URSS, entraram para a UE novos  Estados-membros sem economias de mercado a funcionar e com diferentes visões da organização dos até então  Estados-membros da  União.

Alguns desses novos  Estados-membros, atualmente, nem deveriam   pertencer à UE, que é uma União de democracias liberais, dado terem-se tornado autocracias, ou como definiu o Presidente Húngaro, em democracias  iliberais.

A UE não tem tido coragem de expulsar esses  novos Estados-membros autocráticos  do seu seio, facto que só a fragiliza, descridibiliza e a  torna  ainda mais ingovernável.

A Polónia e a Hungria dois Estados-membros, ora autocráticos, ontem votaram contra a mutualização da dívida europeia para fazer face à Pandemia, juntando-se assim à Holanda que, na última crise de 2008, acusou os países do Sul de ociosos gastadores e por isso merecedores de punição exemplar e, à Alemanha que  também não tem querido abrir os cordões à bolsa, muito embora possua um elevado superavit, mercê de ser o  Estado-membro que mais tem ganho com a implementação do Euro, desde a sua implementação.

De acordo com o nosso Primeiro – ministro António Costa  a Alemanha, no Conselho de ontem, não terá manifestado uma oposição tão veementemente  à adoção de Corona Bonds, para fazer face à Pandemia do Covid-19

Espero sinceramente que este problema da mutualização da dívida se resolva sobre risco da extinção da própria UE.

Nuno Pereira da Silva

Coronel de Infantaria na Reserva

Acerca do autor

Nuno Pereira da Silva

Nuno Pereira da Silva

Coronel de Infantaria na Reserva

Adicionar comentário

Clique para comentar