DEBATE SOBRE A RELAÇÃO ENTRE O PROCESSO CIENTÍFICO E CRIATIVO

IADE – UNIVERSIDADE EUROPEIA PROMOVE

DEBATE SOBRE A RELAÇÃO ENTRE O PROCESSO CIENTÍFICO E CRIATIVO

 

Conferência decorre no próximo dia 27 de abril, às 18h, na Casa das Histórias Paula Rego, em Cascais

– A convergência entre o processo científico e o processo criativo é o tema central do encontro “Salt & Pepper”,,– Innovation Conferences” – uma iniciativa organizada pelo IADE – Universidade Europeia.

A decorrer no próximo dia 27 de abril, a partir das 18h, na Casa das Histórias Paula Rego, em Cascais, este encontro subordinado à temática “Inovação, Renovação e Autenticidade na Ciência” encerra um ciclo de debates dedicado à criatividade e inovação, reunindo especialistas de diferentes áreas da industria criativa para analisar o impacto da investigação nas artes e no design.

Moderado por Cecília Carmo, antiga jornalista da RTP, a iniciativa contará com a participação de especialistas ligados às ciências exatas e às artes, nomeadamente: o Presidente da FCT, Paulo Ferrão; o neurocientista Alexandre Castro Caldas; a investigadora e diretora do CENIMAT/I3N, Elvira Fortunato; o músico Filipe Raposo, o designer Luís Alegre e o coreógrafo Rui Horta. A moderação científica estará a cargo do professor do IADE-Universidade Europeia António da Cruz Rodrigues.

A iniciativa Salt & Pepper foi desenvolvida pelo grupo de investigação Ideas(R)evolution do IADE-Universidade Europeia e pelo Instituto de Cultura e Estudos Sociais (ICES), com o apoio da Câmara Municipal de Cascais. Cada conferência promovida abordou um dos passos da investigação, percorrendo-se todas as fases do processo científico/artístico – Observação, Interpretação, Transformação, Sistematização e Disseminação – e colocou a arte e a ciência em diálogo, identificando elementos comuns entre as duas abordagens.

Os participantes foram desafiados a dar resposta à questão: A Ciência pode tornar-se uma espécie de “habitus mental” que acaba por ser aceite pela maioria sem algum sentido critico e autocrítico, acabando por se tornar conformista, e contribuindo de certo modo para o desaparecimento do conceito de autenticidade, em que as etapas se repetem através de uma monotonia exasperante, anulando capacidades de renovação, de inovação e criação, sem aplicabilidade, fruição e juízo crítico?”.

Em simultâneo, pretendia-se que debatessem sobre a seguinte preposição: “O Design também se move, cria, inova em ambientes de consenso, por vezes inertes, através do “ dissenso” reivindicando em nome de um sentir e fazer diferente. Manifesta-se muitas vezes através da resistência a uma coação no sentido de uma repetição imposta por uma sociedade orientada apenas para dinâmicas de produção/consumo.

O Design chama a si o papel de uma posição autónoma, contrastante com as fábricas do “consenso”, inovando e criando uma sociedade melhor; O Design tem este papel. E a Ciência?”.

Esta conferência do “Salt & Pepper”, encerrará o ciclo de debates dedicado à relação entre a ciência e as artes e os seus respetivos processos.