Opinião

Reuniões partidárias em tempo de Pandemia

O PCP parece insistir em ter de realizar o seu congresso em Loures, apesar do estado de exceção e das medidas restritivas de liberdade que, ele implica para a maioria da população do país.

Não sendo aparentemente ilegal, é no mínimo antiético, mas parece que contra tudo e contra todos, a reunião vai-se concretizar, facto que em minha opinião, demonstra a total ausência de bom-senso no Partido que se acantona na legalidade duma constituição datada e que nunca previu que viessem a existir pandemias, quando foi elaborada e revista.

O CHEGA de Ventura que, não queria passar despercebido, aproveitou para anunciar um Conselho Nacional do partido no mesmo fim- de- semana, em Sintra, numa sala duma Associação de Bombeiros da localidade, tendo no dia seguinte, emitido um comunicado a afirmar que já não iria realizar a dita reunião devido ao estado de emergência e que instava o PCP a fazer o mesmo.

A encenação deste caso político, por parte do CHEGA, só prova o carácter pouco sério do seu líder, pois no local onde informou que se ia realizar o evento nunca esteve marcada nenhuma reunião, nem poderia estar, pois o responsável pela Gestão da Sala afirmou que esta nunca foi nem será alugada para reuniões de carácter partidário.

Ventura já aprendeu a fabricar casos políticos só para estar na crista da onda mediática. É uma vergonha, CHEGA.

Nuno Pereira da Silva
Coronel de Infantaria na Reserva

Acerca do autor

Nuno Pereira da Silva

Nuno Pereira da Silva

Coronel de Infantaria na Reserva

Adicionar comentário

Clique para comentar