Opinião

O plano urbanístico caótico e desconexo de Mafra

Não consigo compreender o plano de urbanismo de Mafra, pois não vejo avenidas a serem traçadas, antes pelo contrário, vejo muitas vias rápidas. As vias rápidas, ao contrário de avenidas, não fazem vilas, nem cidades, antes as cortam e dividem em núcleos de bairros desgarrados.

Mafra tem crescido por bairros desgarrados e sem possível ligação entre eles, a título de exemplo a Quinta das Pevides, é um novo bairro, que parece uma ilha, rodeado de vias rápidas e autoestradas por todos os lados, e praticamente sem ligação à vila.

A avenida construída no bairro de Santa Bárbara, termina abruptamente na apertada rua do cemitério, e só recentemente, arranjaram uma forma de a ligar ao centro de saúde, não sem passar por uma estrada estreita e sem visibilidade, perigosa e superlotada. A ligação está melhor, mas longe de ser perfeita.

É preciso pensar urbanisticamente a vila, sob risco desta nunca vir a constituir um todo harmonioso, cheia de estradas de 7 metros de largura, muito estreitas, em que algumas delas, pelos vistos, como o da nova urbanização a nascer frente ao Intermarché, sem ligação a lado nenhum, tipo estrada inclusa de propriedade privada num local onde era necessário construir uma nova e larga avenida, a ligar o centro à zona comercial.

Não fora a necessária proteção do Convento, e Mafra estaria semelhante ao casino, desconexo, urbanístico da Ericeira.

Nuno Pereira da Silva

Coronel da Infantaria na Reserva

Acerca do autor

Nuno Pereira da Silva

Nuno Pereira da Silva

Coronel de Infantaria na Reserva

Adicionar comentário

Clique para comentar