Sérgio Santos

Esclarecimentos sobre as posições do PS Mafra

Perguntas do Jornal “O Ericeira”

Sérgio Santos

A figura política da semana é Sérgio Santos presidente da Concelhia do PS/Mafra sobretudo pelo acordo dado ao PSD para aprovar o Orçamento para 2019 e por ter sido convidado para ocupar um lugar administrativo da SMAS, sendo pouco normal, dado que, é uma figura dum partido da maior oposição local. E ainda mais, na gíria política, estava dado como morto politicamente, após as eleições a previsível saída e depois a reentrada a três, com tudo calado e apagado e, só com uma pessoa de novo à frente…sempre ele.

Gostaríamos de saber a sua opinião sobre estas questões que andam a ser badaladas por blogues ditos ligados ao seu partido.

Questão 1- O PSD meteu o PS no bolso?

Questão 2 -Ao aceitar um cargo administrativo da SMAS (Serviços municipalizados de água e saneamento) de Mafra passa a ser menos cáustico com o PSD/Mafra?

Questão 3 -Considera que ao aceitar este convite é uma victória de Helder Silva?

Questão 4 – Qual o futuro do PS/Mafra tal como está? Quem vai ser o tal candidato para derrotar o PSD?

Esclarecimentos sobre as posições do PS Mafra

Antes de responder às concretas perguntas que me são formuladas, cumpre-me prestar alguns breves esclarecimentos introdutórios que melhor ajudarão os leitores a compreender as resposta que irei dar.

Não me considero, nem nunca me considerei a figura política da semana, do mês ou do ano, pelo menos não mais do qualquer dos meus concidadãos que todos os dias fazem escolhas políticas, pois viver em sociedade implica viver e conviver com opções políticas.

A aprovação do orçamento concelhio para 2019, pelo PS, parte da constatação de que após meses de luta por propostas e opções socialistas junto do executivo do PSD, tais propostas e opções foram incorporadas no orçamento para 2019, nos exactos termos por nós apresentados.

Tenho a noção de que muitas pessoas e até alguns dirigentes partidários consideram “oposição” e “voto contra” como sinónimos, mas na realidade, só uma visão simplista e caciquista da democracia leva a tal conclusão.

O PS Mafra não vota contra só porque sim… A verdadeira oposição atinge-se na fiscalização concreta da actuação do partido que governa neste momento o Concelho de Mafra.

Tal fiscalização pressupõe, como não podia deixar de ser, a apresentação de propostas e sugestões para a melhoria das condições de vida dos munícipes e, quando tais propostas e sugestões são aceites, mais não resta do que votar as mesmas favoravelmente pois tal é a conduta coerente e consequente que os munícipes esperam dos seus representantes autárquicos.

No que respeita ao convite para ocupar um lugar administrativo nos SMAS, cumpre esclarecer que o que foi proposto ao PS foi o cargo de administrador não executivo, sem remuneração e de extrema complexidade e que o interlocutor (Eu) respondo com o meu património pessoal se alguma coisa correr mal (Não vai correr…) e a aceitação do mesmo, insere-se, uma vez mais, na obrigação que o PS assumiu nas últimas eleições autárquicas, de fiscalização da actuação do partido no poder concelhio.

O que seja a gíria política e o politicamente morto, parece-me mais gíria jornalística, mas morto não estou, pois não sendo Cristo e não tendo a capacidade de ressuscitar… cá me encontro, no mesmo sítio onde sempre estive desde que assumi a responsabilidade pela condução da Concelhia do PS em Mafra.

A possibilidade de uma mudança foi conferida aos demais militantes do PS Mafra de assumirem o destino da Concelhia, após as eleições autárquicas, tem que ser vista como o exercício da democracia dentro do Partido, e os militantes acreditaram que devia continuar e com essa força e união, continuamos juntos a caminhar por uma alternativa de governação em Mafra.

O PS Mafra vai prosseguir as atribuições e o mandato que lhe foram conferidos por todos quantos nele votaram.

Perguntas:

Passando agora a responder às perguntas formuladas, penso que a resposta à primeira pergunta já resulta da introdução anterior:

Questão 1- O PSD meteu o PS no bolso?

O PSD não meteu o PS no bolso. O PS votou favoravelmente o orçamento para 2019 porque o PSD aceitou incorporar todas as propostas apresentadas pelo PS, ao abrigo do estatuto da oposição, no orçamento para 2019. Votar contra seria irresponsável, incongruente e inconsequente.

Questão 2 -Ao aceitar um cargo administrativo da SMAS (Serviços municipalizados de água e saneamento) de Mafra passa a ser menos cáustico com o PSD/Mafra?

Quanto à segunda pergunta formulada, a saber, se ao aceitar ser administrador não executivo dos SMAS de Mafra, passo a ser menos cáustico, só quem não me conhece pondera esta hipótese. Volto a reafirmar: fui mandatado por todos quantos votaram no PS nas últimas autárquicas para exercer uma concreta e eficaz fiscalização da actuação do PSD em Mafra. Continuarei a ser cáustico sempre que as circunstâncias dos assuntos em discussão o exigirem. Vivo de acordo com imperativos éticos e de conduta que assim me obrigam a actuar.

Questão 3 -Considera que ao aceitar este convite é uma victória de Helder Silva?

Para responder à terceira pergunta, só consigo equacionar resposta positiva, para quem veja a condução dos assuntos públicos concelhios como uma brincadeira de crianças: não estamos a jogar um jogo onde um menino ganha e outro perde. Chamo a atenção de que a colocação da questão nestes termos, para além de redutora é perigosa do ponto de vista democrático. Penso que o actual Presidente da Câmara não equaciona esta questão em termos de vitória ou derrota e eu próprio considero que o convite e a consequente aceitação do cargo não remunerado, mais não representam que o salutar exercício da democracia e o reconhecimento de que forças políticas distintas da maioria têm um contributo válido a dar na condução dos já mencionados assuntos públicos concelhios.

Questão 4 – Qual o futuro do PS/Mafra tal como está? Quem vai ser o tal candidato para derrotar o PSD?

Para responder à quarta questão poderia dizer que o futuro a Deus pertence… mas este é um chavão que nada diz. O PS Mafra vai continuar  a apresentar propostas construtivas e a defender os interesses dos  munícipes; não aceita o imobilismo seria a estagnação igual aos outros  Partidos, incluindo o PSD.

 Estou certo, que é o que os militantes pretendem, e os munícipes de Mafra.

No entanto, o futuro do PS Mafra está nas mãos desses mesmos militantes, e o que for democraticamente decidido será implementado, é em democracia que os partidos devem funcionar.

Como não temos nenhum D. Sebastião na algibeira a estratégia a seguir será a de apresentar propostas que sirvam os interesses das pessoas e do Concelho, até às próximas autárquicas e em momento temporal mais próximo das mesmas decidir quem melhor representará o PS em ulterior campanha eleitoral.

Quero aproveitar o momento para desejar um Feliz e Santo Natal e um Próspero Ano 2019 a todos os Portugueses, mas em especial aos que habitam no nosso concelho.