Opinião

“Os Carrilhões do nosso contentamento”

Após 20 anos de paragem os carrilhões do Palácio Nacional de Mafra vão-se fazer de novo ouvir. São esperadas milhares de pessoas para, no dia 2 de Fevereiro pelas 15 horas celebrar a cultura, a música e o nosso Património Mundial.

Será um dia especial para os mafrefenses, um dia para “gente feliz com lagrimas” nos quais orgulhosamente me incluo. Os Carrilhões são para a gente da minha terra muito mais do que sinos, são a expressão sonora de ser de Mafra. Guardamos memórias coletivas e pessoais dos carrilhões, relembramos as tardes de domingo em que Francisco José Gato tocava com mestria e preenchia toda a Vila com melodias. Foram duas décadas em que ao olhar para as torres sineiras  do Palácio sentíamos uma profunda tristeza, revolta e descontentamento, esse tempo acabou. Agora, com a aposta clara na recuperação de todo o conjunto patrimonial, com os seis órgãos em pleno funcionamento, com os carrilhões recuperados e com a vinda do Museu da Musica, Mafra será a capital da musica nacional.

O  dia 2 de fevereiro de 2020 não é o fim do processo, o que começa a partir desse dia é um desafio para o qual todos estão convocados. Trazer ainda mais valências para Mafra, trazer o ensino da musica e das artes, captar estudiosos e estudantes, trazer o Conservatório Nacional , efetuar protocolos com instituições e universidades e aproveitar a dinâmica do crescimento das visitas ao Palácio para, em conjunto com a Tapada Nacional e Jardim do Cerco, criar uma nova centralidade no país.

Temos uma grande responsabilidade, não deixar que todas estas potencialidades sejam desperdiçadas.

Pedro Fernandes Tomás 

Acerca do autor

Pedro Tomás

Pedro Tomás

Notas Soltas

Adicionar comentário

Clique para comentar