Opinião

O direito de ter opinião

Quando um amigo me convidou para escrever neste jornal confesso ter tido a necessidade de ponderar longamente antes de aceitar assinar artigos de opinião neste jornal sobre Política Local e Regional, pois temia ferir suscetibilidades e criar inimizades na terra que escolhemos para habitar e criar a família há algumas décadas.


Dar uma opinião isenta e honesta neste país à beira mar plantado é crime de lesa Majestade, pois senão temos um grupo, partido político ou organização seja de que tipo for por trás, ou
seja se tentar ser independente, tornamo-nos uma ameaça ao “status quo”. Uma opinião isenta é algo muito estranho, e se for incómoda é preciso calá-la imediatamente e de qualquer
forma.


Durante muitos anos, escrevi, opinei e defendi a Política Europeia, pois considero que Portugal não tem viabilidade nem futuro senão estiver integrado num grande espaço cultural e económico, ou seja numa União Política com os outros estados-membros, em que o termo cooperação seja usado em vez do termo competição.


Durante cerca de uma década fui um dos pioneiros da Política Comum de Segurança e Defesa por ter sido nomeado, representante nacional num Grupo de trabalho com a missão de desenvolver as Capacidades Militares Europeias, facto que me trouxe alguns dissabores na minha carreira como militar, pois estive praticamente ausente dos assuntos e das disputas de poder internas e próprias da Instituição Castrense.

Recordo com alguma tristeza que numa das vezes que fui ao Pentágono em trabalho integrado na Representação Portuguesa, de durante um jantar de trabalho ter sido o alvo preferido da
delegação Americana, que me infligiu um questionário quase “pidesco” sobre a posição da França em termos de autonomia da defesa europeia, tentando influenciar-me e influenciar o
curso do trabalho em que estava, em conjunto com os representantes dos outros estados- membros, a realizar no Grupo de Trabalho supra -referido. Recordo-me também de vários
outros episódios semelhantes que me marcaram em Portugal, em que fui acusado de falar “europês”, ao defender a construção duma defesa europeia autónoma da NATO.


Todas estas razões levaram-me a meditar longamente antes de aceitar voltar a dar uma opinião, pois quando passei à reserva pensei poder descansar, no entanto a minha consciência
obrigou-me a vir algumas vezes a terreiro, quer no Diário de Notícias quer na SIC defender posições, por vezes em contradição com a Instituição que servi cerca de quatro décadas, por
não concordar com algumas posições por ela assumidas, inconsoantes com a sociedade onde ela atualmente se insere.


Não estranhei por isso sentir alguma tensão quando formulo a minha opinião sobre política local e Regional, neste jornal e no 1717 acreditar, pois já esperava que esta gerasse alguma controvérsia, tendo inclusive já recebido alguns “lamirés” acerca da incomodidade que ela tem estado a gerar nalgumas matérias, tendo-nos chegado a informação que esta podia ser prejudicial às instituições de Solidariedade Social a que tenho dado graciosamente o tempo e contributo, no entanto custou-me bastante que alguns artigos que publiquei neste jornal, tenham sido alvo de difamação pessoal, pois as opiniões debatem-se e rebatem-se com opiniões e não de outra qualquer forma que só desqualifica quem as escreve e emite.


As opiniões pessoais em artigos assinados são naturalmente motivos para contestação e para reflexão, podendo e devendo ser contraditadas pois é nessa dialética que se encontra muitas vezes o caminho.

Ter opinião é uma forma de se exercer a cidadania e contribuir para a solução, quer a nível europeu, quer nacional, quer local e regional, como tal dela nunca abdicarei.


Nuno Pereira da Silva
Coronel de Infantaria na Reserva

Acerca do autor

Nuno Pereira da Silva

Nuno Pereira da Silva

Coronel de Infantaria na Reserva

Adicionar comentário

Clique para comentar