INAUGURAÇÃO DA UNIDADE DE SAÚDE MAFRA LESTE

INAUGURAÇÃO 
DA UNIDADE DE SAÚDE MAFRA LESTE

E daqui por um ano será o Centro de Saúde de Mafra Norte

Esta manhã de 9 de outubro, foi finalmente inaugurada a nova Unidade de Saúde Mafra Leste na Rua José Poman, n.º 7, na Malveira que passou a servir os utentes da União das Freguesias de Malveira e São Miguel de Alcainça, da União das Freguesias de Venda do Pinheiro e Santo Estêvão das Galés e da Freguesia do Milharado.

Estavam presentes além do Ministro da saúde, Presidente do Conselho Diretivo da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, Diretor Executivo do ACES Oeste Sul, Os Autarcas das freguesias vizinhas, o executivo da CMM, os recentemente eleitos e novos autarcas, pessoal médico e de enfermagem, bastante povo e alguns utentes pois o posto estava a funcionar.

A cerimónia que foi presidida pelo Ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, começou com o descerramento da placa alusiva e um discurso do Presidente da Câmara Municipal Helder Sousa Silva, que aqui deixamos alguns excertos:

“A saúde é condição essencial na construção do projeto de felicidade do Concelho de Mafra. Porque a saúde é um imprescindível bem individual, na medida em que contribui para a qualidade de vida de cada um. Porque a saúde é um imprescindível bem coletivo, na medida em que contribui para o desenvolvimento social sustentado.

Por isso, individual e coletivamente, é com a maior das satisfações que assinalamos a abertura da nova Unidade de Saúde Mafra Leste.

Afinal, este é um equipamento absolutamente crucial, por quatro razões fundamentais:

  • Em primeiro lugar, porque permite substituir instalações obsoletas, tanto do ponto de vista da funcionalidade como do conforto;
  • Em segundo lugar, porque representa uma ampliação da capacidade de resposta, servindo atualmente cerca de 24 mil utentes das 3 freguesias, podendo subir até 30 mil utentes;
  • Em terceiro lugar, porque assegura uma oferta abrangente e diversificada, possibilitando a formação de duas Unidades de Saúde Familiares, mas também zonas polivalentes dedicadas à prestação de cuidados continuados, psicologia, podologia e serviço social e até uma área de fisioterapia e terapia ocupacional;
  • Em quarto lugar, e acima de tudo, porque permite garantir a equidade no acesso aos cuidados de saúde primários, que são a primeira linha de contacto com o cidadão e, deste modo, a parte fulcral do nosso sistema de saúde!

Porque o acesso aos cuidados de saúde primários é uma questão de justiça social, não podemos deixar de registar, antes de mais, a visão estratégica evidenciada por Sua Excelência o Ministro da Saúde, que muito nos honra com a sua presença. …

Acrescentou ainda:

“…Ainda que a saúde seja fundamentalmente uma competência da Administração Central, assumiu esta Câmara Municipal ser parte da solução, na defesa do superior interesse dos munícipes:

  • Cedendo gratuitamente o terreno para a construção;
  • Elaborando os projetos de arquitetura e de especialidades;
  • Desenvolvendo o processo de concurso, a execução da empreitada e a sua fiscalização;
  • Apresentando candidatura a financiamento comunitário e suportando 30% dos custos remanescentes;
  • Executando os arruamentos, os estacionamentos e os arranjos exteriores do edifício;
  • E até criando, com o operador de transporte público, um novo circuito em miniautocarro, destinado às populações que não estão servidas pelas carreiras existentes, ao longo de um percurso que inclui as localidades da Charneca, Póvoa da Galega, Milharado, Tituaria, Roussada, Asseiceira Grande, Venda do Pinheiro, Venda do Valador e Malveira (rotunda do Intermarché).

Destacou ainda que:

…Constituem exemplos desta cooperação:

  • A cedência de viaturas municipais para a prestação de cuidados continuados à comunidade;
  • A organização de projetos de promoção da saúde, tais como “Mafra Azul” (atendimento itinerante na prevenção da diabetes) ou do “Movimento é Vida” (ginástica para idosos);
  • O apoio à vacinação da comunidade idosa, em cooperação com as Juntas de Freguesia e Centros de Dia;
  • A disponibilização de instalações e a prestação de apoio logístico para o Espaço “MESMO”, unidade de atendimento na área da saúde mental;

Não deixou de esclarecer terminando que:

“•  …     E, muito especialmente, o estabelecimento de contratos-programa com vista à construção da Unidade de Saúde Mafra Leste e também da Unidade de Saúde Mafra Norte, a qual integrará, também, o Serviço de Atendimento Permanente (SAP).

A última mensagem é endereçada à comunidade do Concelho de Mafra e, especialmente, da União das Freguesias de Malveira e São Miguel de Alcainça, da União das Freguesias de Venda do Pinheiro e Santo Estêvão das Galés e da Freguesia do Milharado.

Fazemos votos de que esta comunidade possa ser uma voz essencial em matéria de divulgação e adoção de estilos de vida saudáveis e de bem-estar.

Este é um desafio para o qual todos estão convocados: das instituições às escolas e às empresas, incluindo os munícipes de todas as idades.

Daqui por um ano estaremos a inaugurar o Centro de Saúde de Mafra Norte, que já iniciou a sua construção, no mesmo modelo de parceria deste que hoje inauguramos!

Assim faremos de Mafra um Concelho cada vez mais saudável! Muito obrigado.”

Todos aplaudiram e tomou a palavra o Ministro da Saúde

que de improviso salientou sucintamente a colaboração da CMM e destacou a quantidade recorde que de há um ano a esta parte tem inaugurado Centros de saúde, partilhando a colaboração das Câmaras, mantendo assim uma cumplicidade entre o Governo e autarquias que será sempre um trabalho altamente positivo e meritório.

Neste mesmo dia iniciou-se um novo circuito de transporte, em mini-autocarro, para melhor servir os utentes.

Esta infraestrutura possui uma oferta abrangente e diversificada, integrando duas Unidades de Saúde Familiar (USF), com capacidade para 15 mil utentes cada, constituídas por gabinetes de consulta médica, de planeamento familiar, de enfermagem, de saúde infantil e de vacinação, assim como salas de tratamento.

Acrescem, ainda, áreas polivalentes, destinadas à prestação de cuidados continuados, psicologia, podologia e serviço social, bem como uma área de fisioterapia, terapia ocupacional e sala de movimento. A infraestrutura contempla, ainda, zonas de estacionamento, no total de 130 lugares.

A obra foi financiada, em 50%, pelo FEDER, na sequência da candidatura apresentada pelo Município de Mafra no âmbito do Portugal 2020. Nos termos do contrato-programa celebrado entre a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARS-LVT), e o Município de Mafra, o remanescente foi suportado, em 70%, pela ARS-LVT, tendo o Município assumido os restantes 30% dos custos com a obra, para além da cedência gratuita do terreno, da execução do projeto, da elaboração do processo de concurso, da execução da respetiva empreitada e dos arruamentos, estacionamentos e arranjos exteriores.

A visita a todos os presentes foi facilitada , mostrando a grandiosidade da construção polivalente e terminou num beberete no terraço das traseiras.

………………………………………………………………………………….

A esta reportagem de Nunes Forte

foi acrescentada a resenha dos discursos com pequenos ajustes.

Veja mais imagens no Facebook