Homenageados do Rotary Clube de Mafra

Na noite de sexta-feira -31 de Maio de 2019- no restaurante Viveiros do Atlantico -o Rotary Clube de Mafra organizou a 3ª Gala de Reconhecimento Profissional , homenageando 14 personalidades locais, num ambiente de charme e boa disposição.

Eis pois os Homenageados e os curriculos respectivos:

A mesa que presidiu a este Jantar de Gala foi composta pelo Presidente do R.C.M. César Anselmo de Castro,  e em representação do Presidente da Câmara Municipal de Mafra, o Vice-presidente Dr. Joaquim Sardinha, em representação do Comandante da Escola de Armas de Mafra o Tenente Coronel Paulo Antunes, o Cmdt do Destacamento da GNR de Mafra Capitão Emanuel Massa, o Vice Governador do Distrito 1960 Pgd António Mendes, o Vice Presidente da Associação da Revista Portugal Rotário,  Roberto Carvalho, e Marco Wildes em representação do Presidente do Rotary Club de Loures, Clube padrinho do RCM.

Os responsáveis pela leitura dos curriculos dos homenageados foram os Diretores de Protocolo, ANDREIA PORTELA e GONÇALO GONÇALVES

E os Homenageados foram:

Na área do EMPREENDEDORISMO… a Associação 1717 ACREDITAR

Apresentação reduzida do texto lido na oportunidade”…A Associação 1717 Acreditar iniciou a sua actividade oficial no dia 17 de Maio de 2018 e desde então nunca mais parou de traçar o melhor caminho para atingir os seus objectivos.

Neste primeiro ano de existência realizou um espectáculo solidário na Basílica de Mafra a favor da Casa mãe do Gradil e muito em breve irá lançar um livro.

Fazendo uso dos escassos recursos técnicos que possui, produziu neste primeiro ano, mais de 200 peças nas redes sociais e no seu site oficial, sobre temas diversificados enquadrados na missão e nos princípios que defende, assim como deu voz a muitas pessoas e entidades que por vezes passam no esquecimento.

O 1717 Acreditar é o exemplo vivo de que quando se acredita em algo … torna-se possível. 

Viver num mundo melhor e deixar esse mundo melhor para filhos e netos é sem dúvida o que acreditamos ser possível fazer.”

Na área de AUTARQUIAS / GESTÃO
Eng.º ANTONIO RAMALHO PEREIRA

António Manuel Ramalho Pereira, nascido a 7 de agosto de 1962 em Luso – Angola, casado, dois filhos. Licenciado em Engenharia Agropecuária, tendo exercido actividade profissional:

1989-1990- Cooperativa dos Produtores de Minhocas

1990-1994 – Quimigal – Atlânsul.

1994-2014 – Associação de Agricultores do Concelho de Mafra;

 De 2005 -2017 (três mandatos) eleito Presidente da Junta de Freguesia de Mafra.

Enquanto Presidente da Junta de Freguesia de Mafra, foi também membro da Comissão de Defesa da Floresta contra Incêndios, do Conselho Municipal de Segurança, do Conselho Municipal de Turismo, do Conselho Cinegético;

Presidente da Associação de Freguesias do Concelho Mafra durante dois mandatos;

Presidente da Assembleia Geral da Associação Humanitária Bombeiros Voluntários de Mafra;

2015-2018 -Vice-Coordenador da ANAFRE distrital de Lisboa.

2018- Atribuição de Medalha de Mérito Municipal, Grau Prata;

Atualmente , Presidente da Assembleia de Freguesia de Mafra .

Na área INDUSTRIAS / ELECTRICAS 
Empresário  DAVID GOMES

Apresentação reduzida do texto lido na oportunidade-

“A DD Gomes Instalações Eléctricas S.A. nasceu em 2003 fruto do forte dinamismo e competência do fundador Davide Gomes.A DD Gomes desenvolve a sua actividade no âmbito da execução e manutenção de instalações eléctricas. 

Localizada estrategicamente no Sobreiro, entre a Ericeira e Mafra e a cerca de 27 minutos de Lisboa, conta com uma experiencia de mais 16 anos, onde a qualidade técnica das soluções, o respeito pelas normas técnicas e directivas vigentes e acima de tudo a satisfação do cliente são uma constante.

A DD Gomes aposta na excelente qualidade técnica e formação dos seus colaboradores, o que aliado a todos os meios técnicos de que dispõe a torna uma das empresas líder na sua actividade. Tem como principais objectivos ir ao encontro das necessidades solicitadas pelos mais exigentes clientes, procurando dar uma resposta rápida e eficiente. Desta forma, a empresa pretende marcar uma posição de destaque no mercado, reflectir uma imagem de um serviço fiável e de confiança.

Enumeram-se as principais áreas de actividade:

  • Indústria
  • Obras Públicas
  • Iluminação pública
  • Redes subterrâneas de média e baixa tensão
  • Redes aéreas de média e baixa tensão
  • Postos de transformação
  • Limpeza e conservação de postos de transformação em tensão

Quem é Davide Gomes?

A sua vocação humanista, o seu carácter visionário mas igualmente prático,  a par da sua entrega afectiva e apaixonada, são características que pautam o seu percurso de vida.

O Davide é dotado de uma capacidade invulgar de superação que vê em cada obstáculo uma oportunidade para fazer melhor, mantêm até hoje com o concelho de Mafra uma relação umbilical visível nas suas participações activas junto dos diferentes organismos do Concelho de Mafra

  • Associação de Estudantes
  • Casa do Povo de Mafra
  • Assembleia Junta da Freguesia
  • Conselho Fiscal de CD de Mafra

“Inquietação” e “criação” são expressões que marcam o comportamento de Davide Gomes  reflectindo o seu espírito insatisfeito e inovador.   Um permanente questionar e actualizar, impulsiona-o na criação de outras áreas de actividade participando no desenvolvimento da economia local que se quer dinâmica, criativa e sustentável, contribuindo fortemente para a geração de emprego (> 50 empregos).

Distinguem–se

  • DD Gomes Instalações Electricas S.A.
  • Fisioconvento, Clínica de Fisioterapia, Lda
  • Escola Profissional Duarte Gomes
  • Sobreicar – Rent a Car – aluguer de veículos ligeiros e/ou pesados, de passageiros e/ou de mercadorias, sem condutor.
  • Pentagonal Nominal, LDA – fiscalização e gestão de obras, públicas e particulares, e elaboração de projectos

area JURIDICA
Dr. RENATO IVO DA SILVA

Nasceu em 11 de Junho de 1942 em Mafra onde cresceu e foi educado até aos 16 anos, aí frequentando o ensino primário na escola camarária e os 1º e 2º ciclos dos liceus no hoje extinto Externato de Mafra onde foi distinguido do 1º ao 5º ano com o prémio atribuído anualmente ao melhor aluno do seu ano/turma. Beneficiando da ajuda de um seu tio materno frequentou o 3º ciclo dos liceus como aluno interno, no Colégio Valsassina, em Lisboa, onde foi distinguido com o prémio Suzana de Valsassina atribuído ao melhor aluno interno no ano lectivo de 1959/60, ano da constituição de tal prémio e, consequentemente, primeiro a recebê-lo.

Co-fundador do jornal “A TRIBUNA” de circulação interna no Colégio e mais tarde co-fundador da Associação dos Antigos Alunos do Valsassina, cujos estatutos redigiu e de que foi primeiro Presidente da respectiva Assembleia Geral.
Iniciou o seu curso superior na Faculdade de Direito da Universidade Clássica de Lisboa, onde concluiu a Licenciatura em Direito em 14 de Outubro de 1967 e onde foi Tesoureiro da Conferência de S. Vicente de Paulo dos 3º e 4º anos da Faculdade e Tesoureiro Geral da Conferência no 5º ano.
Logo em Novembro desse ano iniciou o seu estágio como Candidato à Advocacia, estágio que terminou em Maio de 1969 sendo inscrito em 30 desse mesmo mês e ano como Advogado pela Comarca de Mafra.

Cumpriu o seu serviço militar no Exército entre Abril de 1968 e Maio de 1970 como oficial miliciano da especialidade de “Licenciados em Direito”, tendo sido colocado, após a instrução básica e o curso de especialidade, na Repartição de Oficiais da Direcção do Serviço de Pessoal do Ministério do Exército onde recebeu um louvor pelos serviços prestados.
Com sua mulher criou em 1966 um Centro Juvenil no Bairro da Cruz Vermelha Portuguesa, ao Lumiar em Lisboa, Centro que aglutinou a maioria dos jovens dos 13 aos 17 anos ali residentes e os orientou para fins culturais e desportivos na ocupação dos tempos livres.
Tal iniciativa mereceu-lhe em 1967 a medalha de Louvor da Cruz Vermelha Portuguesa.
Foi vogal da Mesa da Santa Casa da Misericórdia de Mafra desde 1972 a 1978 e Vice-Provedor dessa Santa Casa desde então até 2002. Eleito Provedor para os Triénios 2003-2005 e 2006-2008. Eleito Presidente da Assembleia Geral para os mandatos de 2012/2014, 2015/2018 e 2019/2022.
Presidente da Assembleia Geral da “NOVA ATENA – Associação para a inclusão e bem-estar sénior pela cultura e arte”, com sede em Linda-a-Velha, Oeiras, nos triénios de 2010/2012, 2013/2015, 2016/2018 e 2019/2021.
Juiz da Irmandade do Santíssimo Sacramento da Paróquia de Mafra de 1975 a 1977.
Presidente da Direcção do Clube Desportivo de Mafra no triénio 1972/1974.
Membro fundador e primeiro Presidente das Assembleias Gerais da “Associação dos Antigos Alunos do Colégio Valsassina” (1986), “Liga dos Amigos de Mafra” (1978), “Centro de Estudos do Património Tradicional da Região Oeste (C.E.P.T.R.O.)” e “Associação de Cultura e Informação Regional de Mafra” (proprietária do quinzenário regional “O CARRILHÃO”), cargo este que ainda exerce.
Co-Fundador da “Associação dos Amigos do Convento de Mafra –
(Guardiães do Convento)” em 24/04/2013, e Presidente da Assembleia Geral da Associação desde a sua fundação até ao presente.
Presidente da Assembleia Geral dos Bombeiros Voluntários de Mafra nos triénios 1991/1993, 1994/1996, 1997/1999, 2000/2002 e 2003/2005.
Nomeado Delegado na comarca de Mafra pelo Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados em 1978 veio a desempenhar esse cargo até 1981, ano em que foi eleito Presidente da Delegação de Mafra da Ordem dos Advogados, cargo que desempenhou até Dezembro de 2001 e a que se não recandidatou por entretanto ter sido eleito 1º Vice-Presidente do Conselho de Deontologia de Lisboa da Ordem dos Advogados para o Triénio 2002/2004. Vogal do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados nos triénios de 1981/1983, 1990/1992 e 1993/1995.
Responsável pelo contencioso da CCAM Mafra desde 1982 tendo passado a integrar os seus quadros em regime de part-time em 1 de Maio de 1992.
Juiz Árbitro do Centro de Arbitragens da Ordem dos Advogados desde a fundação deste Centro.

Na área SAÚDE 

Dr. ELISIO VARANDAS DOS SANTOS

Nasceu em 25 de Novembro de 1953, na freguesia de Guiães, concelho de Vila Real.

Formação Académica:

Viveu em Guiães – Vila Real até aos 10 anos de idade, onde frequentou o Ensino Primário Oficial (1960-1964)

Transitou depois para o Liceu Camilo Castelo Branco, em Vila Real, onde permaneceu até completar o 4º ano do Ensino Secundário (1964-1970).

Em 1971 transferiu-se para Paço de Arcos – Oeiras, vindo a completar o Curso Complementar dos Liceus no Liceu de Oeiras, em 1973.

Fez o exame de admissão à Faculdade de Medicina de Lisboa em Julho de 1973, ingressando depois na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, em Janeiro de 1974.

Frequenta a Faculdade de Ciências Médicas de Lisboa entre 1973 e 1980, tendo concluído, em 24 de Julho de 1980, a licenciatura em Medicina, com a classificação final de 14 valores.

Carreira Médica:

Iniciou Carreira Médica no quadro do Hospital de Pulido Valente, em Lisboa, como Interno Policlínico, em 1981 e 1982, complementado com Serviço de Urgência de 12 horas semanais no Hospital de Santa Maria, em Lisboa.

Cumpriu Serviço Militar na Força Aérea, Base Aérea nº 3, na qualidade de Alferes Médico, entre Março de 1983 e Março de 1985.

Ingressou na Carreira de Clínica Geral em 1/4/85 no Centro de Saúde de Mafra, Extensão de Igreja Nova.

Efectuou o internato da especialidade de Estomatologia no Serviço de estomatologia do Hospital Pulido Valente, com estágios no Serviço de Maxilo-Facial do Hospital de S. José, no Serviço de ORL do Hospital Pulido Valente,  Serviço de Anatomia Patológica do IAP e Serviço de Cirurgia Geral do H.P.V., entre 1986 e 1990.

Efectuou Formação Específica em Exercício, integrado no 6º Programa, de Maio de 1992 a Maio de 1993.

Concluiu o 7º Programa de Formação Específica em Exercício, com aproveitamento, em 9 de Junho de 1995.

Assumiu funções de Assistente de Clínica Geral em 9/6/95.

O grau de Generalista da Carreira Médica de Clínica Geral, na área profissional de Clínica Geral, foi-lhe conferido pelo Ministério da Saúde (Direcção Geral de Saúde), em 19 de Março de 1996.

Foi aprovado no concurso de habilitação ao grau de Consultor da Carreira Médica de Clínica Geral, em 5 de Março de 1998.

Desde então exerce a actividade de Médico de Família no Centro de Saúde de Mafra, Extensão de Igreja Nova, de que é responsável.

Em 1998 participou no Programa “Learning with Europe”, onde se incluía o intercâmbio entre médicos de vários países europeus, no âmbito do qual teve ocasião de trabalhar com o Sistema de Saúde da Holanda e da Dinamarca.

Colaborou nos programas de Diabetes, Doenças Cardiovasculares e Reumatológicas.

Até 2008, efectuou serviço de urgência semanal no SAP do Centro de Saúde de Mafra.

Na área MÉRITO E SOLIDARIEDADE SOCIAL
Entidade Bancária CAIXA DE CREDITO AGRÍCOLA MUTUO  DE MAFRA

Fundada em 1957, exercendo a sua acção no concelho de Mafra, em 6 Agências, apresenta uma situação financeira sólida e que lhe permite garantir a segurança aos seus cerca de 4.400 associados e 30.000 clientes.

A Caixa Agrícola de Mafra, interagindo com as várias Cooperativas Agrícolas, Sociedades de Agricultura de Grupo e Associações Representativas da Região, considera-se como “Motor de Desenvolvimento do Concelho”, mantendo as raízes mutualistas, com proximidade aos sócios e clientes através do atendimento personalizado, somos “Da terra, pela Terra”. 

Exercendo a sua actividade preferencialmente na área geográfica do Concelho de Mafra, a Caixa de Crédito Agrícola Mútuo tem actualmente 36 funcionários que exercem a sua actividade em 6 agências (Mafra, Azueira, Encarnação, Póvoa da Galega, Malveira e Ericeira), abrangendo todo o território do Concelho. Desde cedo foi sentida e assumida a responsabilidade de ir para junto das populações, proporcionando-lhes uma prestação local e directa dos nossos serviços bancários, quer a nível profissional permitindo-lhes uma modernização, quer a nível de bem-estar social.

Tem instaladas nas 17 freguesias do Concelho, 28 máquinas A.T.M. (Multibanco) e em estabelecimentos comerciais um número superior a duas centenas de P.O.S. (Terminais de Pagamento Automático).

A Caixa Agrícola de Mafra apresenta-se como a Instituição financeira cooperativa de âmbito regional, criando valor aos associados, aos clientes e à região.

Sendo o motor de desenvolvimento do concelho, através de relações de proximidade com os associados e clientes, respondendo aos seus projetos financeiros, de acordo com os princípios que nos norteiam, nomeadamente:

  • Solidez;
  • Confiança;
  • Honestidade;
  • Responsabilidade;
  • Rigor;
  • Transparência e profissionalismo.

Atenta à realidade do Concelho, a CCAM Mafra apoia de forma significativa a comunidade onde está inserida. A instituição tenta permanentemente dar resposta às solicitações de que é alvo, sendo diversa a natureza das entidades e os objetivos dos pedidos de apoio. No entanto, podemos afirmar que o apoio à comunidade se centra em quatro grandes áreas de ação: Idosos, Juventude, Cultura/Ambiente/Património e Coletividades.

Salientamos que estes donativos podem ser de natureza material ou financeira, em função das solicitações apresentadas, mas sendo na sua esmagadora maioria de natureza financeira. Consideramos significativo o retorno que a CCAM de Mafra devolve à comunidade onde está inserida.

Em suma, a Caixa Agrícola de Mafra é estratégica para os associados e clientes, não ficando dependentes de decisões transaccionais e o seu valor acrescentado promove directamente o crescimento do Concelho, tendo vindo a garantir a sua solidez ao longo do tempo.

Na área VOLUNTARIADO

Associação do GMASA – Grupo do Milharado de Apoio aos Sem Abrigo


Quem ajudamos…

A FEANTSA (Federação Europeia das Associações que Trabalham com os Sem Abrigo) define o Sem Abrigo como “aquele que, independentemente da sua nacionalidade, idade, sexo, condição socioeconómica e condição de saúde física e mental, se encontra: sem tecto – vivendo no espaço publico, alojado em abrigo de emergência ou com paradeiro em local precário; sem casa – encontrando-se em alojamento temporário para o efeito”. No entanto, e apesar do ênfase dado à questão da habitação, a pobreza e a exclusão social estão também presente, sendo este um fenómeno que se inicia muito antes do indivíduo viver na rua.

O G.M.A.S.A. procura ajudar não só os Sem-abrigo mas também aqueles que, embora tenham um tecto, devido ao aumento da carência económica, deixaram de fazer face a todas as despesas mensais tendo que recorrer à ajuda das associações para se conseguirem alimentar. Este é o caso de alguns idosos e de famílias numerosas, com crianças e em situações de desemprego.

Tal como um sem abrigo um dia disse durante a distribuição: “Vocês fazem um excelente trabalho , aqui na rua não há fome , mas há muita fome nas casas , nas famílias , eles não têm carrinhas , e as crianças…..”

A ajuda concedida pelo G.M.A.S.A.  não se limita à alimentação, pelo que ajudam com produtos de primeira necessidade, como roupa ou produtos de higiene.

Caracterização da população carenciada

O G.M.A.S.A. pertence ao conselho de Mafra estando, numa primeira fase, para além do apoio prestado aos Sem-Abrigo de Lisboa, a apoiar as familias mais carenciadas do concelho.

Para estender o apoio a estas famílias, o G.M.A.S.A, ainda que de uma forma pontual, colabora com algumas escolas onde chegam pedidos de apoio. Como os serviços sociais competentes demoram algum tempo com processos mais burocráticos, o G.M.A.S.A. concede o apoio possível , através da atribuição de cabazes alimentares, durante este período de tempo.

O G.M.A.S.A pretende ser um apoio de emergência que funciona com base na boa fé e confiança na palavra de quem convive diariamente com as crianças provenientes das famílias carenciadas. As famílias, ao conseguirem equilibrar o seu orçamento familiar comunicam às escolas e deixam de receber o apoio do G.M.A.S.A. . A escola funciona como intermediário pelo que o G.M.A.S.A. não tem contacto directo com as famílias de modo a evitar constrangimentos.

Além disso, actualmente, apoiamos mensalmente com cabazes de bens de primeira necessidade e frescos quando temos, cerca de 45 famílias carenciadas do nosso concelho, previamente referenciadas.

Como ajudamos…

Todos os domingos as equipas do G.M.A.S.A. distribuem cerca de 250 a 300 refeições e também produtos de primeira necessidade (roupa e produtos de higiene).

As refeições são confeccionadas com alimentos totalmente provenientes das contribuições monetárias ou alimentares de anónimos, produtores locais e empresas locais. Alguns dos alimentos angariados resultam também de trocas que se fazem entre as associações do Concelho, pois por vezes existem excedentes que são distribuídos e aproveitados entre todos, também provenientes de anagariações, e da boa vontade das pessoas em geral.

A angariação de fundos para a aquisição dos bens necessaries para executarmos a nossa tarefa, é obtida através da organização de diversos eventos, cujo único fim, é fazer face às despesas atrás referidas.

As refeições são constituídas por um prato quente, um pão com queijo, doce ou marmelada, um bolo, fruta e por vezes um doce, café ou chá, água e leite. Após a confecção são embaladas em caixas de alumínio, e transportadas em caixas isotérmicas, sendo que a maior parte das vezes chegam ao destinatário ainda a escaldar.

A distribuição de produtos de primeira necessidade também está dependente da contribuição  dos outros. A roupa de homem é a mais requisitada e consequentemente aquela da qual o G.M.A.S.A. tem mais falta. No inverno, sempre que possível, procura-se distribuir mantas e sacos cama, muito embora o seu número seja infelizmente reduzido.

A nossa Rota 

A rota do G.M.A.S.A. aos domingos começa no Milharado e Póvoa da Galega, onde são distribuídas refeições quentes às famílias referenciadas. Após estas primeiras paragens rumam a Lisboa onde iniciam a distribuição no Cais Fluvial (antigamente Campo das cebolas), zona de grande afluência onde se chegam a dar cerca de 120 refeições. Seguem depois para o viaduto abaixo de Santa Apolónia, Santa Apolónia, e por fim Rossio.

Tudo isto é possível com a ajuda de 110 voluntários, distribuidos por 8 equipas, que asseguram todos os Domingos a confecção e a distribuição das refeições.

Só com a entrega , trabalho de equipa e um enorme sentido de solidariedade, de todos os voluntaries,além da ajuda de todos os que nos apoiam, empresas, associações, particulares, todos sem excepção é que conseguimos levar em frente a nossa missão.

Na área CULTURA

JOSÉ EDUARDO MEDEIROS


Nascido em Mafra em 1941, formação em Química, Arquitectura e História, professor do Ensino Secundário de 1969 a 1978, pintor, ceramista e fotógrafo, com trabalhos de Antropologia em Portugal, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe nas áreas das Indústrias Tradicionais e Saberes Populares, de 1978 a 1995.
Investigador de Saberes Ocultos e Técnicas de Auto-conhecimento é autor de vários livros sobre esses temas: “O Livro de Horas para o Terceiro Milénio”, “As Mãos, Chaves da Vida”, “Rituais Antigos para um Mundo Novo”, “O Livro da Lua”, “O Livro do Magnetismo” e “Manual de Alquimia Vegetal” editados pela Pergaminho, e “O Livro do Pêndulo” e “O Tarot da Vida”, editados pela Vogais & Companhia. O “Novo Livro do Pêndulo” editado pela “4 Estações”. Sobre Templarismo escreveu “A Regra Secreta dos Templários (Introdução), O Perdão dos Templários (com outros autores), e “Usos e Cerimónias da nossa Ordem de Cristo” (Transcrição e estudo), editados pela Zéfiro.
Tendo-se dedicado nos últimos anos à interpretação simbólica dos livros de pedra que são os monumentos antigos, é autor de “Os caminhos Esotéricos de Portugal” e “Os Caminhos Ocultos do Ocidente” (Pergaminho, 2003 e 2006) e “As Marcas na Água; As siglas do Aqueduto das Águas Livres” (Museu da Água, 2008). Responsável pelo levantamento dos textos herméticos da Biblioteca do Palácio Nacional de Mafra e pela organização das três exposições realizadas na referida biblioteca sobre os temas “Magos Astrólogos e Cabalistas”, “Alquimistas, Espagiristas, Ervanários e Boticários” e “Ordens Monásticas, de Cavalaria e Iniciáticas”, realizadas em 2007, 2009 e 2012.
Foi professor na Universidade Sénior de Mafra, de 2010 a 2015.
Presidente da Academia dos Saberes Antigos e da Associação dos Amigos do Real Edifício de Mafra.

Na área EDUCAÇÃO
Drª. MARIA MANUEL DE OLIVEIRA

Em 1993 concluiu Licenciatura em Ensino de Educação Física
No seu percurso como docente, leccionou no 2º e 3º ciclos de ensino, tendo sido Diretora de Turma, na sua grande maioria. Enquanto docente e particularmente, como Directora de turma, sempre mostrou, a importância da articulação entre várias Entidades e famílias dos seus alunos.
Foram várias as actividades que realizou, no âmbito da promoção de encontros e/ou actividades entre os alunos e encarregados de educação/famílias. Destacam-se as caminhadas em família, dança, jogos entre outras actividades.
Foi avaliada, durante todo o seu percurso, com a menção de Muito Bom ou Excelente, tendo como referência o seu desempenho anteriormente mencionado, bem como a preocupação extra, de manter um dialogo próximo e de elevado respeito, com os alunos e suas famílias, sempre na procura de uma transmissão de conhecimentos, baseada na área da emoção/afectos. O seu “lema”, sempre foi, é e será: sem emoção não há aprendizagem!
Em 2013, foi convidada para ser Representante do Ministério da Educação na Comissão de Proteção de crianças e Jovens de Mafra (CPCJ).
Integrou a CPCJ de Mafra em Outubro de 2013 e em Dezembro desse mesmo ano, foi orgulhosamente, eleita Presidente da CPCJ de Mafra.
Tinha noção da grandeza deste cargo, mas a sua parca experiência nesta área, traziam-lhe uma preocupação extra, no seu desempenho. Sabia que teria vidas de crianças e jovens, bem como das suas famílias nas mãos. A experiência de docente, a emoção com que desempenhava a merma, e a equipa que a acompanhavam, rapidamente, a fizeram acreditar que seria possível.
Considerou, extremamente, importante mais formação nesta área e iniciou a sua primeira especialização em matéria de infância e juventude, na área social.
Em 2014, fez o primeiro curso de Promoção e Protecção, dinamizado pela Comissão nacional e Ministério da Educação. Tendo concluído o mesmo com a menção de Excelente!
Em 2015, fez o segundo curso de Promoção e Protecção, dinamizado pela Comissão nacional e Ministério da Educação. Tendo concluído o mesmo com a menção de Excelente!
Em 2016 frequentou o curso de Formação Profissional de Pós – Graduação em mediação de Conflitos Escolares. Tendo concluído a mesma com a nota final de 17 valores!
Desde então tem desenvolvido um trabalho de articulação, com a Autarquia de Mafra, Juntas de Freguesia e Entidades Concelhias parceiras, entre as quais destaca o Rotary Club de Mafra, nomeadamente o Comissário César Anselmo de Castro,
Representante, na modalidade Alargada da CPCJ, pela sua entrega e colaboração, no desempenho das suas tão nobres causas, pelos mais carenciados.
No desempenho da função de Presidente da CPCJ, fez parte da Equipa de Formadores, na Formação “ Criação de um Guião de Procedimentos Escolares”, em cada Agrupamento de Escolas de Mafra;
Criação de um Gabinete de Atendimento para Jovens, em colaboração com a Autarquia de Mafra e Director da CDT (Comissão Dissuasão da Toxicodependência);
Destaca a criação de um Projeto pioneiro em Portugal, em colaboração com a PET B HAVIOR e Tribunal de Mafra, desencadeando uma sinergia entre a Psicologia e a Terapia com Cães Terapeutas. Projeto que muito se orgulha, pois os resultados são visíveis a curto prazo, trazendo a tão desejada paz, às crianças e jovens que no momento passam por uma situação vulnerável. Ajudando, assim, o processo de promoção e protecção a desenrolar-se de forma harmoniosa e positiva, como tanto desejamos!
Mantém uma rede de articulação, muito estreita, com todos os Agrupamentos/ Escolas Não Agrupadas e Colégios, a fim de esgotar todos os meios ao alcance dos mesmo, promovendo um dos grandes pilares da Lei de Promoção e Protecção, ou seja, a prevenção.
Criou e estabeleceu uma rede de suporte a nível da cedência e transporte de bens, em situação de emergência, com toda a população concelhia, através de contacto directo e redes sociais
Face à falta de recursos humanos, para trabalhar na modalidade restrita, todo este trabalho só é possível, quando acompanhado por uma excelente equipa. Que não pode deixar esquecida, face ao enorme esforço de todas, bem como as horas que cedem ao trabalho, em prol de uma eficaz protecção das crianças e jovens e suas famílias, do Nosso concelho.
Só com a ajuda desta maravilhosa equipa é possível continuar esta diária tarefa, em prol de melhores condições, para as famílias que acompanhamos. Preocupação que partilha convosco, sempre na tentativa de cedência de Técnicos Superiores, pelas Entidades de carácter social, educativo, desportivo, ou outra, com especial desempenho na área da infância e juventude.
Enquanto Presidente da CPCJ de Mafra e Representante do Ministério da Educação na mesma, acumula, ainda, funções no:
NLI de Mafra (Núcleo Local de Reinserção Social;
Conselho Geral do Agrupamento de Escolas de Mafra e Venda do Pinheiro
CLAS de Mafra (Conselho Local de Acção Social de Mafra)
REINICIA V (Rede Integrada de Combate ao Isolamento, ao Abandono e à Violência

Na área ACÇÃO SOCIAL

LUIS CORDEIRO 


20 ANOS – PRESIDENTE DA JUNTA DE FREGUESIA DO GRADIL, mas com grande empenho na área social

Administrador  Executivo. Associação Freguesias do Município de Mafra

Diretor do desportivo União Gradilense

Diretor da ACISM (Associação Comércio Industria e Serviços de Mafra)

Diretor dos Bombeiros Voluntários de Mafra

Comissário da instalação inicial  da CPCJ de Mafra

Comissário atualmente da CPCJ

Pertence ao Conselho municipal de Saúde

Estive no Conselho Municipal de Segurança

Pertence a um dos Grupo da GMASA (grupo do Milharado  apoio ao sem abrigo )

Reativou a Casa do Povo do Gradil no ano de 2000 para poder aí trabalhar na área social, instituição que tinha sido extinta por Decreto Lei em 1981.

Valências da atividade Social da Casa do Povo do Gradil;

Creche para crianças dos ( 4 meses aos 3 anos )

Tardes de Animação para crianças do pré-primário

Sala de estudo

Centro de Noite  de apoio a 11 idosos –

RSI ( Rendimento Social de Inserção )

Fornece semanalmente banco alimentar contra a fome

Vamos iniciar em Junho de 2019 a construção do  novo edifício da creche

Tb Com projeto aprovado, esperando apenas o financiamento para arranque da obra um Centro de Dia

Efetuado também um ant/projeto para a construção de um Lar para apoio aos Gradilenses e sócios da Instituição.

Na área AMBIENTE
Dr. LUIS REALISTA( recebeu este certificado a sua filha RITA REALISTA )

Luis Manuel Realista, 50 anos, fundador, Administrador e accionistas da AVE – Gestão Ambiental e Valorização Energética, SA
Nascido em Mafra, onde estudou e casou, é pai da Rita e da Margarida com 20 anos de idade, na juventude dedicou a sua vida a causas e movimentos públicos, nomeadamente ao movimento escutista, actualmente faz parte dos órgãos sociais da Apercim.
Entre a conclusão do ensino secundário e frequência universitária, trabalhou durante 2 anos em contabilidade na Gestecla em Mafra, tendo lecionado matemática e economia na escola secundária de Mafra, até á conclusão da sua licenciatura em Gestão de Empresas (ISG – Institutuo
Superior de Gestão 1993).


Iniciou a carreira profissional em 1993, na consultora Price Water House, tendo posteriormente
exercido a função de Director Geral no agrupamento de produtores de suínos Extra A.
Eleito vereador na Câmara Municipal de Mafra exerceu dois mandatos a tempo parcial no período
1998 a 2005 tendo o pelouro do turismo e representação nas participações sociais das empresas
detidas pelo Município.
Trabalhou em diversas empresas públicas e privadas na área do ambiente.
Ao longo de carreira Luis Realista desenvolveu vários projetos de negócios que estão associados á economia circular e alterações climáticas.
Luis Realista fundou há 15 anos, a empresa AVE-Gestão Ambiental e Valorização Energética, SA, que actualmente tem como accionistas de referência a Secil e a Cimpor, empresa onde tem permanecido desde essa data como membro do Conselho Administração, com o pelouro da
pesquisa e desenvolvimento do negócio.
Membro da Direção do ASWP (Associação Smart Waste Portugal), que é um Cluster que reúne as maiores empresas e instituições científicas de Portugal com o objectivo de transformar os resíduos em recursos contribuindo assim para a sustentabilidade da economia circular no sector ambiental em Portugal.
Com experiência internacional tem assumido o desafio de várias multinacionais para replicar actividade idêntica no continente africano e na América do Sul, em países tais como, Egipto, Turquia, Tunísia, Moçambique e Brasil.
Foi administrador de empresas do sector das energias renováveis e ambiente tais como:

  • Tratolixo – tratamento de resíduos sólidos urbanos
  • Etsa, Sebol, Abapor – tratamento de subprodutos de origem animal
  • Enerfuel – produção de biodiesel
  • Matadouro – Regional de Mafra
  • Enerflora – produção de energia eólica
  • Mafratlantico – concessão de autoestradas
  • Tapada Nacional de Mafra

  • Frequentou o Programa Avançado de Economia e Gestão de Empresas de Serviços de Água, na Universidade Católica de Lisboa
    É titular do trabalho científico que reconhece na actividade de coprocessamento de resíduos em fornos de cimento como uma actividade que alem de ser um processo de valorização energética,
    é agora também, e por via deste estudo, um processo de valorização material, ou seja, de reutilização, por incorporação da fracção não combustível do resíduo na matriz do cimento.

Na ÁREA MUSICA / CANTAUTOR

Nuno Barroso, fundador da mítica banda Além-mar com quem gravou os álbuns “Além Mar” e “Viver”. O emblemático tema “Deixa-me Olhar” que permaneceu mais de 5 meses em Nº1 no Airplay das Rádios Nacionais e o álbum tornou-se um grande suecesso. Outros sucessos foram “Cidade” ou “Já Não Há Mais Baladas”. Em 2001 participa no disco de duetos de José Cid. Em 2016, Nuno Barroso, dando continuidade também a um projecto a solo, junta-se de novo aos Alémmar (que contam agora com uma formação renovada entre novos músicos, e músicos da primeira formação) onde actua segundo o nome Nuno Barroso e Alémmar. Compoê para outros artistas como Adelaide Ferreira, Rita Guerra & Beto, Nucha, José Cid, entre outros. Em 2005 lança o álbum “A Vida Dá Muitas Voltas” onde assume a produção e composição das letras e das músicas das 12 canções. Temas como “Poeta Solitário”, “Só tu podes ser”, “Eterno Abrigo”, “Janela do Mundo” ou “A Vida da muitas Voltas” que surge na banda sonora da telenovela “Mistura Fina” da TVI. Escreve a canção “Mais um dia” para José Cid, genérico de uma das novelas da TVI, venceu o prémio de melhor música de telenovela de 2009 na primeira gala de troféus de TV da revista TV7 Dias. Colaborou com a banda luso-alemã Os Atlânticos no tema “Voltar” com que participaram no “Tontalente des Düsseldorfer Festival 2011”. Depois de lançar em 2014 o álbum “Coração Rebelde “ Nuno Barroso prepara um álbum de duetos “Amigos e Duetos” editado em 2018 que conta com 19 duetos, onde pode ser encontrado duetos com, Pedro Barroso, José Cid, Nuno Norte, Lara Afonso, Yola Dinis, Guilherme Azevedo, Luigi Ferreira, Stigi Van entre outros. Em 2018 é um dos artistas mais requisitado do conceituado festival de musica dos anos 90 “Revenge of the 90’s” . Festival que conta varias vezes com a presença de mais de 17 mil pessoas em cada evento. Em dezembro desse mesmo ano 2018 num espetáculo de apresentação do álbum “Amigos e Duetos” em Torres Novas e lhe atribuído um disco de ouro com vendas superiores a 7.000 cópias com o álbum “Amigos & Duetos

Na área COMUNICAÇÃO SOCIAL
RCM – RÁDIO DO CONCELHO DE MAFRA

A rádio local do concelho de Mafra nasceu em 1985, a partir da vontade de 3 jovens estudantes mafrenses (Joaquim Passos, Rui Simões e Jorge Ferreira) com imensa curiosidade, conhecimentos técnicos, conhecimentos musicais e espírito de iniciativa. Depois de algumas experiências divertidas e enriquecedoras, o que era inicialmente uma brincadeira começou a ganhar contornos de um projecto real, e à medida que foram aderindo mais pessoas começou a nascer o que se viria a constituir como a Mafra FM – Cooperativa de Radiodifusão, C.R.L. Tal como aconteceu com outras rádios pelo país, o início ficou marcado por emissões piratas, até que o fenómeno cresceu tanto a nível nacional que se tornou necessária a intervenção do governo: a 24 de Dezembro de 1988 todas as frequências locais receberam a notícia do encerramento. Todas elas puderam então ir a concurso público e apresentar o seu projecto para operar dentro da legalidade. O Governo decidiu, uns meses depois, quem deveria continuar e quem teria de encerrar os seus emissores, tendo em conta as suas condições, estruturas, motivações, entre outros indicadores. Em meados de 1989 começaram a aparecer as primeiras rádios locais e legais em Portugal. O número de rádios diminuiu para menos de metade, ficando-se, oficialmente, pelas 314 estações, de acordo com o Gabinete para os Meios de Comunicação Social (GMCS). Foi um processo tardio, contestado e difícil. Desde então, tem-se assistido à fusão de rádios nos grupos económicos mais fortes. Embora a funcionar em instalações precárias e muito limitadas em espaço, a Mafra FM foi evoluindo e implantando a sua imagem junto dos ouvintes, baseada no amadorismo e no espírito empreendedor de muitos colaboradores. A partir de 1994, a rádio entrou decisivamente numa nova fase, profissionalizando os seus funcionários, alterando a sua frequência de 98.0MHz para 105.6MHz e automatizando a estação através de equipamento informático. Uma das mudanças deste processo foi a alteração do nome da rádio para R.C.M – Rádio do Concelho de Mafra, mantendo a designação anterior para a cooperativa detentora do alvará de emissão. Este processo culminou na transferência para novas e adequadas instalações, que se mantêm até hoje, no extinto Edifício Bombeiros Voluntários de Mafra, actualmente Edifício Municipal de Serviços, Piso 3, no centro de Mafra, outra grande mais valia foi a deslocação do centro emissor para a Serra do Funchal, junto à Avessada. Actualmente a R.C.M, apesar de lutar com muitas dificuldades provocadas pela conjuntura económica e social, pela desconsideração geral dos governos e da política que seguem relativamente à comunicação social, que favorece os grandes grupos económicos, e pelas muitas limitações de pessoal e financeiras com que se debate diariamente, continua a tentar levar até junto da população do concelho a melhor música e toda a divulgação e promoção dos eventos, empresas, desporto, informação e cultura do concelho de Mafra.

Na área da HOTELARIA
empresa TRÊS IRMÃOS – ACTIVIDADES HOTELEIRAS LDA