É imperativo votar nas eleições para o Parlamento Europeu

É imperativo votar nas eleições para o Parlamento Europeu

As últimas crónicas que temos publicado versaram temas regionais, desta vez falaremos das próximas eleições para o Parlamento Europeu, que embora à primeira vista não pareça têm uma influência nas nossas vidas diárias e na nossa comunidade regional.
A União Europeia está a passar uma fase difícil, em termos políticos, depois de ter passado por uma grave crise financeira, que teve impactos directos no nosso dia -a-dia e no dia-a-dia da nossa comunidade. Em termos políticos a União Europeia tem que fazer face ao eventual Brexit do Reino Unido, e aos cada vez mais constantes avanços da extrema-direita e da extrema-esquerda nalguns estados que a constituem.


A extrema-direita e os nacionalismos e populistas, liderados ora pelo Italiano Salvini, ameaçam a União que é um espaço de democracias liberais e supra-nacional em que a cooperação entre Estados Membros é o seu mais forte elo.
A vinda de Mr. Bannon, uma espécie de novo Che Guevara ideológico da extrema -direita mundial, para ajudar o partido de extrema-direita de Marine Le Pen em França a conquistar eleições, é em nossa opinião, sintomático que a extrema-direita a nível mundial se está a
movimentar e quer novamente tomar o poder e destruir a União Europeia e tudo o que esta tem significado desde a sua fundação.
De acordo com algumas sondagens o movimento liderado por Mateo Salvini, que quer formar um partido à escala europeia, poderá constituír-se na terceira força do Parlamento Europeu, facto que muito nos preocupa pois, malgrado o Parlamento Europeu não ter iniciativa legislativa, tem de dar o seu “agreement” na atribuição de todas as verbas comunitárias aos diversos projetos aprovados no Conselho Europeu, e que posteriormente a Comissão vai gerir, bem como na nomeação da própria Comissão Europeia.
A atribuição destas verbas comunitárias são essenciais para que existam fundos comunitários para serem distribuídos pelos Estados Membros e pelas diferentes Regiões da União Europeia, como é o caso da área metropolitana de Lisboa onde o nosso Concelho se insere, e onde o nosso Edil é representante no Comité das Regiões.
A extrema -direita e extrema- esquerda querem entrar na Europa para a destruir destruindo a democracia liberal.
Pelo supra exposto é fundamental votar nas próximas eleições, que se realizam no próximo fim de semana, pois a abstenção não serve os propósitos da nossa comunidade.


Nuno Pereira da Silva
Coronel de Infantaria na Reserva