DIA NACIONAL DAS LINHAS DE TORRES

COMEMORAÇÕES DO DIA NACIONAL DAS LINHAS DE TORRES

 

A Rota Histórica das Linhas de Torres (RHLT) celebra, pela primeira, vez, o Dia Nacional das Linhas de Torres. Do programa organizado no dia 20 de outubro fazem parte atividades pedagógicas nas escolas, uma exposição e uma sessão solene comemorativa, que se realiza na Sala dos Actos do Convento de Mafra.

 

A Assembleia da República deliberou em 2014, por unanimidade, instituir o dia 20 de outubro como o Dia Nacional das Linhas de Torres, numa justa homenagem à memória e resistência do povo português aliada à estratégia e engenharia militar, enaltecendo o espírito de sacrifício de todos aqueles que lutaram contra o invasor, fosse integrando o exército aliado, construindo as fortificações ou abandonando as suas casas e destruindo os seus bens, privando o exército invasor de se alimentar no terreno.

 

As comemorações organizadas pela RHLT integram uma sessão solene comemorativa, que se inicia às 19 horas na Sala dos Actos do Convento de Mafra (com entrada pela ala sul do Convento de Mafra, em frente ao Jardim da Alameda), com enquadramento musical pelo Quinteto de Metais da Banda do Exército. A abertura da sessão será presidida pelo Presidente da Câmara Municipal de Mafra, seguindo-se a apresentação do Dia Nacional das Linhas de Torres pelo Presidente da Direção da RHLT e a conferência “As Linhas de Torres, Waterloo e a construção da Europa”, pelo Tenente-Coronel Abílio Lousada.

 

Neste mesmo dia decorrerá a atividade “Invasão dos Fortes”, dirigidas aos alunos do 1.º, 2.º e 3.º ciclos das escolas dos municípios.

 

A exposição “Loures no tempo de Napoleão e Wellington” estará patente, entre os dias 20 de outubro e 28 de novembro, no Edifício 4 de outubro, em Loures.

 

 

SOBRE A ROTA HISTÓRICA DAS LINHAS DE TORRES

 

As Linhas de Torres constituem um sistema complexo, cobrindo uma distância total de cerca de 100 kms, que compreende fortes, fortins, redutos, estradas militares e escarpamentos.

Como defesa, as linhas foram inteiramente bem-sucedidas, mas foram abandonadas por quase 200 anos, até à apresentação do projeto da Rota Histórica das Linhas de Torres.

O projeto, desenvolvido pela Plataforma Intermunicipal das Linhas de Torres (constituída pelos Municípios de Arruda dos Vinhos, Loures, Mafra, Sobral de Monte Agraço, Torres Vedras e Vila Franca de Xira), teve um custo total aproximado de 6 milhões de euros, sendo que cerca de 2 milhões de euros foram cofinanciados em 74,11% pelo EEAGrants, e contou com o acompanhamento técnico do IGESPAR e apoio do Exército. Teve execução no período de 2007 a 2011 e os seus objetivos centrais foram salvaguardar, recuperar e valorizar uma componente significativa do património arquitetónico/militar integrante das Linhas de Torres Vedras, criando uma rota turística de excelência.

Neste âmbito, o projeto implicou extensas pesquisas e investigações arqueológicas, remoção de vegetação e obras de restauro. Cerca de 30 obras militares foram restauradas e foram implementados 6 centros de interpretação em diversos pontos, ao longo das linhas. Além destas ações, foi criada a Grande Rota das Linhas de Torres (GR30) e 6 percursos de visita do complexo militar.