Opinião

COVID-19 Irá o país parar até dezembro?

A informação que dispomos, por parte dos especialistas em epidemias, indica que teremos inexoravelmente de ter 60 a 70 % de infectados em Portugal, e em todos os países, para adquirir os  imunidade de grupo.

Segundo as projeções matemáticas efetuadas pelos epidemologistas, para que os serviços de saúde nacionais  não colapsem é necessário atingir o pico da expectável curva exponencial, o mais tarde possível, para  se poderem tratar a maioria dos casos mais graves.

Nessas indicações  dos epidemologistas Portugal não deverá assim atingir os  60 a 70 % de infectados numa  primeira vaga da pandemia do Covid-19, devendo-se atrasar  o pico desta primeira vaga da exponencial o mais possível. Assim será inevitável que em  Outubro haja uma segunda vaga da pandemia,  dado ser necessário atingir o valor de 60 a 70% de infectados no país.

A mortalidade  será talvez mais baixa se a pandemia for dividida por vagas, pois os serviços de saúde poderão não colapsar.

Havendo duas ou três vagas não colapsarão os serviços de saúde, haverá menos baixas, mas os países e Portugal  colapsará, pois terão de ficar   parados cerca de um ano ou mais.

Em tempos de guerra, ou de pandemia, os políticos têm de decidir como querem e o que querem fazer, no entanto, tal como numa guerra é necessário controlar a informação.

Não é possível ganhar-se nenhuma guerra com informações das baixas ao minuto.

Israel optou por atingir os 60 a 70% o mais depressa possível com mais baixas de uma só vez, mas salvando-o do colapso económico.  Boris quis fazer o mesmo no UK mas cedeu aos media e ao pânico que estes geram e arrepiou caminho.

Qualquer decisão é política e nunca de epidemologistas, e qualquer terá inexoravelmente custos, o nim do António Costa não funciona, pois não quer parar completamente  o país, tomando atitudes mais enérgicas e quer conter a pandemia, quer fazer a quadratura do círculo.

Nuno Pereira da Silva

Cor Inf Res

Acerca do autor

Nuno Pereira da Silva

Nuno Pereira da Silva

Coronel de Infantaria na Reserva

Adicionar comentário

Clique para comentar