Anteprojeto do porto marítimo da Ericeira

Eis um projecto que contempla as variantes das águas e ventos do Portinho da Ericeira e que foi apresentado às entidades que decidem já em maio deste ano. Será esta a solução ideal e o “pontapé de saída” para o tão aguardado futuro do nosso porto de mar?

   ÁGUAS ABRIGADAS

Concepção Formal/Funcional

(proposta para discussão no Ministério do Mar)

Em Maio de 2016  José António da Silva Lourenço propõe:

     NOTA PRÉVIA

O presente anteprojecto decorre da necessidade imperiosa de procurar solução para a grave situação da Ericeira no que diz respeito às actividades marítimas, e visa constituir-se como uma proposta base para a discussão sobre uma concepção formal/funcional para o Porto da Ericeira, na perspectiva da construção de uma solução mais adequada e, em princípio, menos onerosa que as actuais propostas existentes.

Importa destacar que este ante-projecto, corresponde a apenas um estudo prévio para um desenho alternativo do Porto da Ericeira (construção de um “braço” no molhe existente e construção de um segundo molhe complementar), baseado no Estudo “de levantamento topográfico com as batimétricas”  e  no conhecimento experienciado do que é a dinâmica do mar nesta zona da costa, e prevê apenas uma intervenção de caracter funcional que visa devolver ao Porto da Ericeira as características e condições     necessárias para que possa cumprir em segurança as funções de Porto.

A fundamentação da proposta de concepção formal/funcional, encontra-se enunciada, de forma sumária, na memória descritiva do presente documento.

A finalizar este ponto prévio, importa clarificar que o ante-projecto é, tal como a designação o indica, apenas um estudo de desenho, sendo necessário que o mesmo seja complementado com estudos de hidráulica/engenharia (entre outros que se entendam necessários), por forma a poderem ser estimados os custos que uma intervenção desta natureza poderão implicar. Neste sentido, parece-nos que a  proposta agora apresentada, deverá ser entendida como uma peça a integrar no Caderno de Encargos a elaborar para o lançamento de um concurso público para o projecto final para o Porto da Ericeira, e/ou para a negociação junto das equipas dos projectos já existentes.

 

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

    As limitações da situação actual

  • A actual configuração do porto não protege das vagas provenientes do

quadrante entre norte e oeste, que é o tempo predominante na Ericeira.

A figura 1 (imagem aérea do porto da Ericeira),

fig1Fig,1

mostra o que é a principal dinâmica do mar nesta zona, e a figura 2 mostra, em termos gráficos, o modo como as vagas evoluem e entram no Porto, contornando a cabeça do molhe,  após o embate no molhe existente.

fig2 fig.2

  • A inexistência de um segundo molhe, torna evidente que a atual configuração

do Porto também não protege do tempo sul.

As limitações das propostas dos projectos apresentados

  • As 6 alterativas de propostas de projetos apresentados não corrigem na totalidade a atual limitação do molhe principal, não evitando a entrada das vagas provenientes do quadrante norte e oeste, apos o embate no molhe
  • Por outro lado, as propostas para o segundo molhe, continuam a não corrigir na totalidade a necessidade de protecção do tempo proveniente de sul, porque mantém uma abertura directa ao quadrante sul-oeste.

    Propostas para o novo desenho e sua fundamentação

  • Construção de um pequeno braço no molhe principal, formando um angulo de

75º face ao molhe existente (figura 3).

fig3 Fig.3

 

Esta solução permite

– Consolidar o molhe existente e proteger a cabeça do molhe, porque reforça do embate das vagas do quadrante de norte-oeste, que é, como já foi referido, o tempo predominante – Elimina a entrada das vagas que resultam do embate que actualmente entram no porto por contornarem a cabeça do molhe

– Reduz substancialmente a entrada de vagas provenientes de sul

– Por outro lado, a vantagem da construção deste segundo braço num angulo de 75º face ao molhe principal, visa evitar a exposição deste novo molhe ás intempéries mais fortes e predominantes de norte a oeste, evitando um desgaste mais acelerado a que este tipo de infraestruturas está sujeito.

– O angulo de 75º para este braço, permite ainda dar ao molhe principal a configuração da proa de uma embarcação, o que lhe confere características hidrodinâmicas que permitem reduzir o impacto e atrito     das vagas (tal como numa embarcação)

  • E criação de um novo molhe, de construção mais “ligeira” face ao molhe principal, conforme ilustra a figura 3.

Esta construção pode ser mais “ligeira”, dada a baixa profundidade e as características rochosas do fundo do mar naquela zona Figura 4.

fig4Fig.4

Por outro lado, a existência (consolidação) do molhe principal, por si só, já funciona como protecção do tempo predominante, não sendo como tal necessária uma construção tão pesada.

  • A construção deste segundo molhe, visa proteger das vagas de sul (tal como nas propostas alternativas já visava). Contudo, nesta proposta de desenho, a complementaridade com o braço a construir no molhe principal impedem de forma eficaz a entrada de vagas do quadrante sul-oeste.

fig5Fig.5

MAQUETE PARA PORTO MARÍTIMO DA ERICEIRA:  ÁGUAS ABRIGADAS