Geral Opinião

Amor em tempos de cólera

Estive esta semana a reler o livro, ” Amor em tempos de cólera”’ de Gabriel Garcia Marques, escritor que considero ser o maior vulto das letras do século XX, uma vez que estamos a atravessar um período de emergência sanitária, devido ao Covid-19,  propício  à leitura e à reflexão, dada a  obrigatoriedade a que estamos sujeitos de isolamento em casa.

A História do livro passa-se no final do século XIX dealbar do século XX, durante um período de cerca de 55 anos, período que durou a história de amor, entre os dois protagonistas do romance.

A história do livro é interessante pois durante o período em que decorre essa paixão, os surtos de cólera são uma ameaça constante, que dizima milhares de pessoas, cujos corpos se vão amontoado nas ruas, pelas valetas, e que vão sendo recolhidos diariamente em grandes  pilhas, qual lixo doméstico, para que o tráfico se pudesse processar  e a vida do dia-a-dia pudesse proseguir. A população na cidade habituava-se  a circular entre os corpos,  socorrendo-se  dos seus lenços de assoar, para  expeditamente se proteger da doença e concomitantemente  dissimular o fétido cheiro dos cadáveres em putrefacção.

Eram tempos de extraordinária dureza e que punham  à prova a resiliência do povo, que se via perante uma situação em que a cólera era o novo-normal.

Não querendo contar a história de amor do livro, apraz-me revelar que no seu epílogo,  ao fim de cerca de meio século de amor não consumado, os dois amantes finalmente se encontram e tiram partido da doença, para fazerem uma viagem romântica, sózinhos num barco de passageiros,  pelo facto de o seu comandante  o ter falsamente sinalizado com a bandeira amarelo e preta, que sinalizava que no seu interior grassava  um surto de cólera.

Este livro faz-nos pensar na dureza da vida no passado, das doenças sem cura que assolavam a população,, e da resiliência desta à adversidade prolongada,.

A consumação da história de amor ao fim  de cinquenta anos,  traz-nos   uma luz de esperança reafirmando-nos a certeza de que malgradas as doenças e vicissitudes  a vida continua.

Parece-me que a mensagem do livro, sublimemente  escrito por Gabriel Garcia Marquez é, nesta ocasião em que a pandemia do Covid-19 ataca, uma mensagem de esperança num futuro melhor.

Esperemos bem que o surto deste vírus seja rápido, e que na próxima Primavera seja descoberta uma  vacina salvífica, para que este  não volte a surpreender-nos  anualmente.

Nuno Pereira da Silva

Coronel de Infantaria na Reserva

Acerca do autor

Nuno Pereira da Silva

Nuno Pereira da Silva

Coronel de Infantaria na Reserva

Adicionar comentário

Clique para comentar