UMA SURPRESA agradável…

TALVEZ

NÃO SAIBA QUE…

 

Por vezes, quando nos debruçamos sobre alguns  pormenores descobrimos curiosidades que merecem algum destaque.

Desta vez, e já o tínhamos reparado, tanto algumas mesas como cadeiras que estão no hall da Casa da Cultura, têm algo de diferente, algo que as diferencia, que as destaca da normalidade.

 

E não é que têm a assinatura de Siza Vieira. Estavam num armazém, retiradas da antiga sala do turismo. Reaproveitadas do “caminho” da degradação e do lixo, e bem.

Quem é Siza Vieira?

Nascido em Matosinhos, no Norte de Portugal, junto à cidade do Porto, é filho de Júlio Siza Vieira e de sua mulher Cacilda Ermelinda Camacho Carneiro de Melo. Do seu casamento, teve dois filhos, dos quais um também é arquiteto: Álvaro Leite Siza Vieira.

Entre 1949 e 1955, estudou na Escola Superior de Belas-Artes do Porto, onde lecionou, de 1966 a 1969, voltando em 1976 (sempre como professor assistente).

Fortemente marcado pelas obras dos arquitetos Adolf Loos, Frank Lloyd Wright e Alvar Aalto, cedo conseguiu desenvolver a sua própria linguagem, embebida não só nas referências modernistas internacionais como também na forte tradição construtiva portuguesa, dos quais resultaram obras de grande requinte e detalhe no modernismo português, dos quais se destaca a Casa de Chá da Boa Nova, em Leça da Palmeira. A isto, não é alheio, o relacionamento muito próximo com o arquiteto Fernando Távora, seu professor, e uma das principais referências da Escola do Porto, com quem colaborou de 1955 a 1958, desenvolvendo posteriormente forte amizade e cumplicidade criativa.

Criou verdadeiros marcos na história da arquitetura portuguesa e internacional, influenciando várias gerações de arquitetos

As suas obras encontram-se por todo o mundo, da América à Ásia, passando por países como Portugal, Espanha, Países Baixos, Bélgica, Brasil, Coreia do Sul, Estados Unidos, entre outros. Nos Países Baixos, dirigiu, de 1985 a 1989, o Plano de Recuperação da Zona 5 de Schilderswijk, em Haia; em 1995, concluiu o projeto para os blocos 6-7-8 de Ceramique Terrein, em Maastricht. É autor do plano de reconstrução da zona do Chiado, em Lisboa, destruído por um incêndio em 1988. Elaborou, em Espanha, o projeto para o Centro Meteorológico da Villa Olimpica em Barcelona; o do Centro Galego de Arte Contemporânea, o da Faculdade de Ciências da Informação, em Santiago de Compostela, e também na Galiza o de um pavilhão polidesportivo na Ilha de Arousa e o do Café Moderno em Pontevedra; a reitoria da Universidade de Alicante; o Edifício Zaida, em Granada; e o Complexo Desportivo Ribero Serralo, em Cornellà de Llobregat.

O edifício da Fundação Nadir Afonso é uma síntese do trabalho arquitetónico de Álvaro Siza, com características muito próprias, como a construção se erguer sobre lâminas e a entrada ser feita por rampa.

Foi ainda professor visitante na Escola Politécnica Federal de Lausana, na Universidade da Pensilvânia, na Universidade de Los Andes, em Bogotá, e na Universidade Harvard.

PRÉMIOS

  • 1981 – Prémio da Associação Internacional dos Críticos de Arte/Secretaria de Estado da CulturaAICA/SEC – Arquitectura
  • 1988 – Medalha de Ouro do Colégio de Arquitectos de Madrid
  • 1988 -Prémio de Arquitectura Contemporânea Mies van der Rohe
  • 1992 -Prémio Pritzker, da Fundação Hyatt, pelo projeto de renovação na zona do Chiado, em Lisboa
  • 1993 -Prémio Nacional de Arquitetura.
  • 1996 – Prémio Secil
  • 1998 -Medalha Alvar Aalto
  • 1998 – Prémio Príncipe de Gales daUniversidade Harvard
  • 2000 – Prémio Secil
  • 2001 -Prémio Wolf de Artes (2001)
  • 2002 -Golden Lion for the Best Project Bienal de Arquitetura de Veneza
  • 2005 -Urbanism Special Grand Prize of France
  • 2006 – Prémio Secil
  • 2008 -Royal Gold Medal for Architecture, do Royal Institute of British Architects
  • 2009 -Medalha de Ouro 2009, do Royal Institute of British Architects
  • 2010 -Prémio Luso-Espanhol de Arte e Cultura
  • 2012 -Golden Lion for lifetime achievement, Bienal de Arquitetura de Veneza
  • 2015 – “Prémio Vida e Obra” da Sociedade Portuguesa de Autores

CONDECORAÇÕES

 Grande-Oficial da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada de Portugal (10 de junho de 1992)

  • Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique de Portugal (9 de julho de 1999)
  • Grã-Cruz da Ordem da Instrução Pública de Portugal (6 de abril de 2017)

 

Fonte: Wikipédia