25 DE ABRIL…HOJE!

25 DE ABRIL

Hoje é feriado, e segundo os jornais, mais de metade dos portugueses não viveu o dia de 25 de Abril de 74.

E cada dia que passa tal como outros feriados e dias de celebração, não ficarão na memória das gentes. Praticamente só o Partido Comunista festeja esta data como se fosse deles este facto histórico, do grito de “Ipiranga” do povo, querer deixar de ser o país mais atrasado da Europa.

Na verdade o PC ajudou, como outros partidos e entidades, mas e fundamentalmente foi o povo que aproveitou “a deixa” e fez “sem querer” uma revolução. Eu estava lá, por isso posso garantir que a tropa defendeu os “seus interesses”, numa luta contra os milicianos que teriam as mesmas regalias, num interesse de não ter uma guerra nas províncias ultramarinas de que podiam ter azares, mas que também lucravam, e não era pouco, subindo de categoria a cada Missão. No fundo, a revolução era algo duma guerra institucional de carreiras e regalias de militares, salvo de alguns mais politizados, que aproveitaram também “a deixa” para colocar esta luta ao serviço da politica.

Mas políticos eram muito poucos. Uns eram líricos, e acreditavam numa mudançazita, mas nunca previram uma aliança do povo, em vir para a rua e lutar na verdadeira mudança revolucionária.

Depois viu-se a inépcia de quem mandava. A falta de orgânica dos postos cimeiros. A entrega aos políticos, que também pouco ou nada sabiam fazer, quanto mais governar um país. A guerra dos oportunistas,  a destruição de empresas por invejas e ódios.

Assim de empurrões da esquerda e da direita, temos que concluir que muito se fez, com coisas muito más e coisas boas. Na verdade ninguém estava preparado. 

Nem quem fez a revolução, nem quem governava, pois foi vencido sem luta, sem saber, e provando que no País estava tudo mal estruturado. Vivia-se num país sem cor, com medos, com cunhas e governado por famílias autoritárias com imenso temor e respeito à chamada “Brigada do reumático”, Legião e outras Uniões.

Ainda me lembro de em todo o lado, e por todo o Portugal, se festejar o 25 de Abril de todas as maneiras, e até realizando neste dia provas de atletismo com medalhas para todos…ali no Largo do Jogo da Bola, e frente ao Convento (ainda não se chamava Palácio) foi o despertar do desporto.

Passou de um dia para o outro, tudo a ser a cores. As mulheres deixaram o xaile e o lenço preto na cabeça. Os homens deixaram de usar chapéu (obrigatório por Salazar). Muita coisa mudou para melhor. As universidades multiplicaram-se e mais alunos chegam lá. Morre-se menos.

Com defeitos (estará nas nossas mãos melhorar)  temos todos uma Segurança Social. Por estes e muitos mais factos, esta data tem obrigação de nunca ser esquecida.

Mas como também os homens (e mulheres) bons deste mundo morrem e rapidamente são esquecidos pela rapidez com que se vive…naturalmente também se esquecem datas, amizades, familiares e vivências.

Mas não o façam por vergonha ( que é o que estamos a sentir)…

pois se, quem nos governa, tem vergonha do 25 de abril estamos todos fodi…s e mal pagos!

Uma Opinião de Helder Martins